O impacto do comércio exterior na TI

No ano de 2020 a tendência no comércio exterior era de muitas mudanças, porém, uma crise sanitária alterou, inesperadamente, os rumos deste segmento. Modificou, inclusive, a forma de se trabalhar. A ordem agora é: readaptação e mais inovação.


Neste contexto, a área de TI viu-se muito afetada e as demandas aumentaram drasticamente. Ao mesmo tempo, o setor de comércio exterior precisa lidar com inúmeros desafios inerentes ao mercado internacional e gerenciar questões que fogem totalmente ao seu controle, como por exemplo a falta de container. 


Neste artigo abordaremos o impacto do comércio exterior na área de tecnologia da informação e como a sinergia entre as duas impacta o negócio.



O comércio exterior e as novas tecnologias


O avanço tecnológico gera novos negócios e inova os moldes do comércio internacional. Em contrapartida, o comércio é o propulsor que estimula a expansão tecnológica, trazendo inovações ao mercado.


A pandemia trouxe muitos impactos ao comércio global e mesmo em face da insegurança gerada, surgiu a necessidade de readequação e revisão dos planos outrora criados.


E mesmo diante este cenário pós-pandêmico as previsões para o comércio exterior são positivas, segundo dados da CNI no documento Economia Brasileira 2021-2022, “A balança comercial brasileira deverá fechar o ano de 2022 com um superávit de US$ 58,9 bilhões (alta de 16,9% em relação ao saldo de 2021) …”


Sendo assim, o comércio exterior que já possuía significativo impacto na TI, no que diz respeito ao avanço da área, permanecerá exercendo influência e demandando cada vez mais suporte.


 


Conheça alguns pontos influenciadores do comércio exterior na TI



  • Porta para novidades tecnológicas


A globalização conecta, ao longo do tempo, países no mundo todo. E por meio do comércio internacional que essas conexões podem se traduzir em avanços para o Brasil, pois é através dessa atividade que o acesso a novas e avançadas tecnologias acontece, além da aquisição de componentes e soluções de melhor qualidade.


Com o comércio global em constante evolução e atualizações legais, empresas importadoras e exportadoras precisam investir em mais recursos tecnológicos para garantir operações de qualidade e eficiência, automatizando e simplificando processos aduaneiros complexos.


Dessa forma, o desenvolvimento de novas funcionalidades e otimização de soluções têm sido pauta no mercado. Estas iniciativas visam facilitar as tendências para o comércio exterior global, gerando impactos positivos e diminuindo a burocracia, elevando a competitividade nas negociações e acordos comerciais.


Tecnologias como IA (Inteligência Artificial), que é baseada em uma série de algoritmos capazes de “aprender” padrões que simulam determinadas capacidades da inteligência humana, de modo que, ao reconhecer um padrão, executa-o minimizando erros. Assim, o tratamento de questões legais e informações confidenciais no entendimento do compliance devem ficar mais fortes no futuro.


Demais tecnologias como, Big Data e Business Intelligence também favorecem o setor, transformando o tratamento de dados e permitindo decisões mais assertivas.



  • Gestão da cadeia de suprimentos:


Também conhecido como Supply Chain Management (SCM), trata da integração dos elementos de uma cadeia de suprimentos, que envolve o gerenciamento de produtos até o alcance do mercado.


Esse gerenciamento exige recursos avançados para garantir eficiência e segurança em todas as operações desenvolvidas. Qualquer erro pode acarretar altos custos logísticos e, consequentemente, atrasos, devoluções e insatisfação dos clientes.


A TI está associada à eficiência da cadeia de suprimentos, por meio de recursos como softwares de gestão e dispositivos remotos que tendem a impactar positivamente todas as operações do SCM. Por exemplo, um software de gestão para redução de estoque obtendo maior controle na aquisição de insumos e inventários mais precisos, despesas conhecidas por meio da integração de setores de compras, vendas, financeiro e estoque.



  •  Competitividade e inovação


A demanda do comércio exterior é alta, isso aumenta a competitividade e aquece a economia do país, de forma que, a inovação tecnológica é um divisor para empresas que realizam importação e ou exportação.


A TI em sua atuação como área estratégica de negócio contribui para a competitividade da organização apoiando a gestão de comércio exterior e permitindo elevar a competitividade.


As tecnologias necessárias para atender essa demanda do comércio exterior proporcionam aos gestores de TI tomarem decisões mais alinhadas às necessidades do mercado, visando e impulsionando seu crescimento e, concomitantemente, o crescimento do setor comercial.



Suporte especializado


Em tempos de transformação e inovação é muito importante ter um parceiro estratégico que ofereça soluções e suporte especializado para a organização em sua atuação no mercado internacional e ao mesmo tempo contribua para reduzir a dependência de TI.


Nós da NGR Global, apoiamos empresas dos mais diversos segmentos em necessidades que vão desde análise das operações envolvendo regimes aduaneiros especiais, provendo soluções para automatizar processos manuais e repetitivos, que otimizam e ajudam a criar valor para o negócio. Assim como o suporte ONESOURCE Global Trade da Thomson Reuters.


Somos parceiros renomados da Thomson Reuters com diversas premiações e mais de 200 projetos realizados na América Latina.


Conte com nosso Time formado por mais de 100 inquietos por transformação de negócios e operações.


Gostou desse artigo? Então inscreva-se no blog e fique por dentro das novidades em Comércio Exterior.


91 dias atrás - 15 min


Compartilhe:

INSCREVA-SE